sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

POLÊMICA - Pregão de quase 4 milhões gera polêmica em Arapuã

Cidadão encaminhou para a nossa reportagem a publicação de pregão de quase 4 milhões de reais para compra de peças. Prefeitura esclarece o fato 

     Nossa reportagem foi informada, por alguns moradores de Arapuã, que um pregão estava sendo realizado para a compra de quase 4 milhões de reais em peças para veículos  e que o valor era absurdo, pois daria praticamente para comprar uma frota nova para o município. "Ficamos assustados ao ver a publicação no diário oficial, e queremos saber onde serão utilizadas tantas peças", disse o autor da denúncia. Para esclarecer o caso, nossa reportagem manteve um contato com a prefeitura. Segundo a servidora Cristiane Garcia Kalate, responsável pelo processo de licitação, não existe nada de anormal, inclusive ela mesma já esclareceu detalhes do "Pregão" ao poder legislativo. "Os quase quatro milhões é um pregão de registro de preços para ser utilizado durante 12 meses. O que isso quer dizer: nós temos quase 60 veículos e para que no decorrer do período de um ano não ocorra nenhum transtorno, relacionamos as peças de todos os referidos veículos, que neste prazo de tempo, podem apresentar danos mecânicos. O registro nos assegura que caso tenhamos um problema, a compra já está autorizada, não sendo necessário fazer uma licitação de emergência para comprar, por exemplo, um amortecedor, um roda ou qualquer outro item", disse a servidora. Segundo ela, basta o cidadão entrar no portal de transparência e fazer a leitura do item 2.2 do Edital número 10/2017, o qual reza que não há obrigação de comprar as peças, caso não seja necessário: "As quantidades constantes do anexo I, são estimativas de consumo, não se obrigando a administração à aquisição total" diz o item. "Nós não somos obrigados a publicar este valor, porque ele é uma estimativa, mas como presamos pela transparência, optamos por divulgar", disse Cristiane. Ainda segundo ela, quando o município não realiza o registro de Preços, fica praticamente inviável uma licitação para compra de uma peça de valor irrisório. Nossa reportagem também apurou que em alguns muitos municípios, as prefeituras costumam fazer a "troca de peças", ou seja, na contabilidade aparece uma peça licitada, mas o material adquirido foi outro de necessidade naquele momento, o que também é irregular, fato que nunca ocorreu em Arapuã devido a gestão responsável e transparente.   OBS.: A funcionária não disse que em Arapuã, o prefeito precisou tirar dinheiro do bolso para pagar peças no passado, disse exatamente o contrário, que graças a esta prudência, que é o registro de preços, tudo acontece dentro da legalidade.  Para acessar o portal de transparência da prefeitura e conferir o pregão - clique aqui

2 comentários:

  1. Se há irregularidades em outros municípios isso deve ser denunciado TCU, porem o que há de mais fraudulento hj em dia são as manutenções veiculares, se forem tão transparentes assim, deverão soltar mensalmente os gastos com qual veiculo e o que foi trocado, R$ 4 milhões e muito dinheiro da para comprar 2000 jogos de amortecedores, 4 mil jogos de pneus aros 13 e 14. Tão logo fica aberto ao gasto desnecessarios no final dos últimos 12 mesmeses que coincidirá com o inicio das próximas eleições. Estranho não?

    ResponderExcluir
  2. Com 4 milhões compra se 100 veículos leves tipo palio, uno, classic, Ford Ka, melhor vender a frota velha e comprar uma frota nova com mais 40 carros

    ResponderExcluir