segunda-feira, 24 de abril de 2017

OPERAÇÃO TIRADENTES DA PRF

PRF flagra 7,8 mil veículos acima da velocidade máxima durante o feriado de Tiradentes no Paraná. Pelas rodovias federais do Paraná, onze pessoas morreram 
Onze pessoas morreram durante os quatro dias de operação da PRF no estado; desatenção, velocidade, ultrapassagens e embriaguez foram as principais causas.   A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou imagens de 7.836 veículos transitando acima da velocidade máxima permitida durante os quatro dias de Operação Tiradentes no Paraná.  Entre quinta-feira (20 de abril) e domingo (23 abril), os agentes da PRF flagraram 537 manobras de ultrapassagens proibidas e 75 motoristas dirigindo sob efeito de bebidas alcoólicas.  Durante a operação, 11 pessoas morreram em acidentes nas rodovias federais paranaenses. Outras 115 saíram feridas. A PRF atendeu 131 acidentes.  As causas dos acidentes que resultaram em vítimas mortas foram desatenção, excesso de velocidade, ultrapassagens proibidas, embriaguez ao volante e não guardar uma distância mínima de segurança em relação aos demais veículos.  O número de mortes é idêntico ao do mesmo feriado de 2016, quando 11 pessoas morreram em cinco dias de feriado prolongado. Na ocasião, o Dia de Tiradentes caiu em uma quinta-feira e a operação da PRF teve um dia a mais de duração.  Na semana passada, durante o feriado de Páscoa, a PRF registrou 13 mortes no Paraná ao longo de quatro dias de operação. A PRF apreendeu ainda cerca de 1,53 milhão de carteiras de cigarro contrabandeadas do Paraguai durante a Operação Tiradentes no Paraná. O valor de mercado de todas essas cargas ilícitas ultrapassa R$ 7,6 milhões.  (Leia mais clicando no link abaixo)
Sobre os acidentes com mortes   - O acidente mais grave da Operação Tiradentes 2017 aconteceu na noite quinta-feira (20), em Lindoeste. Um carro que transitava pela BR-163 invadiu a faixa contrária e bateu de frente contra um caminhão. Os três ocupantes do carro --um casal e o filho, um adolescente de 16 anos-- morreram no local.   Todas as 11 mortes ocorreram à noite ou de madrugada. Seis das vítimas morreram em colisões frontais. Sete mortes foram registradas em trechos de reta. Seis mortes ocorreram em locais de pista simples e cinco, de pista dupla. A mesma proporção foi observada quanto ao clima: houve seis mortes com pista molhada, e cinco com pista seca.  Flagrantes de imprudência -  Ao longo do feriado, os agentes da PRF registraram uma série de flagrantes de veículos muito acima da velocidade máxima permitida. Na sexta-feira (21), os radares da PRF registraram um automóvel Mitsubishi Lancer a 195 km/h na BR-277, em São José dos Pinhais, e uma motocicleta a 181 km/h em um trecho urbano da BR-376 em Ponta Grossa, onde a velocidade máxima é de 80 km/h.  Na tarde de sábado (22), um automóvel Mercedes Benz foi flagrado a 199 km/h na na BR-277 em Matelândia, região oeste do Paraná. A velocidade máxima sinalizada no local, que fica no perímetro urbano da cidade, também é de 80 km/h. Na região de Guaíra, uma outra Mercedes, com placas do Paraguai, foi autuada por transitar a 182 km/h, também no sábado. Todos esses veículos transitavam em velocidades acima de 50% em relação ao limite máximo, infração gravíssima que prevê multa de R$ 880 reais e suspensão da carteira de motorista. O prazo dessa suspensão varia inicialmente de dois a oito meses, mas pode chegar a até um ano e meio, em caso de reincidência. Em Foz do Iguaçu, os radares portáteis da PRF flagraram diversas motociclistas transitando a velocidade de até 168 km/h em um trecho da BR-277 onde o limite é 80 km/h. Um deles, que estava deitado sobre a motocicleta, receberá ainda uma segunda multa, por fazer malabarismo sobre o veículo. Essa, infração, de natureza gravíssima, também prevê suspensão da carteira de habilitação.


Números da Operação Tiradentes 2017 no Paraná:
11 mortos
115 feridos
131 acidentes
75 flagrantes de embriaguez
537 ultrapassagens proibidas
7.836 imagens de radar portátil
103 veículos recolhidos
1,53 milhão de carteiras de cigarro apreendidas
194,5 quilos de maconha

Fonte: PRF

Nenhum comentário:

Postar um comentário