quinta-feira, 18 de maio de 2017

LAVA JATO - FOTOS DO ESQUEMA

Lauro Jardim publicou, no dia 18 de maio, no Site do Jornal o Globo, as cenas que provam a entrega de propina aos indicados de Temer e Aécio
NOTA DO  GLOBO -  A delação da JBS, a mais dura em três anos de Lava-Jato, merece este título em grande parte devido às cenas a seguir. Nelas, o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), destacado pelo presidente Michel Temer para tratar com Joesley Batista dos interesses de seu grupo empresarial, é flagrado pegando R$ 500 mil em propina — a primeira parcela de um montante prometido de R$ 480 milhões.  As cenas também são devastadoras para o presidente do PSDB, o senador mineiro Aécio Neves. A Polícia Federal filmou o primo de Aécio, Frederico Pacheco de Medeiros, pegando, a mando de Aécio, R$ 1,5 milhão em propina — três quartos dos R$ 2 milhões que Aécio pediu, sem saber que era gravado, para Joesley. As cenas abaixo mostram esta entrega, ocorrida em 28 de abril deste ano.
Notícias que repercutiram, no dia 18 de maio,  sobre as gravações que acusam o Presidente Temer de compra de silêncio 
TEMER INVESTIGADO - O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou abertura de inquérito para investigar o presidente Michel Temer. O pedido de investigação foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) Com a decisão de Fachin, Temer passa formalmente à condição de investigado na Operação Lava Jato. Ainda não há detalhes sobre a decisão, que foi confirmado pela TV Globo. O pedido de abertura de inquérito foi feito após um dos donos do grupo JBS, Joesley Batista, dizer em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que, em março deste ano, gravou o presidente dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A informação foi divulgada pelo jornal "O Globo".
AÉCIO AFASTADO: O advogado-geral do Senado, Alberto Cascais, informou que a Casa afastou o senador Aécio Neves assim que foi notificada oficialmente, da decisão do ministro Edson Fachin pelo afastamento do tucano. Aécio poderá continuar frequentando as dependências do Congresso Nacional, mas fica impedido de votar ou exercer qualquer ato como parlamentar. O Pedido de prisão foi negado.
ELEIÇÕES DIRETAS: A bancada do PPS na Câmara, partido que está na base do governo, defendeu a renúncia do presidente Michel Temer e a convocação de eleições diretas para Presidência da República. Os dois ministros do PPS no governo Temer, Roberto Freire, da Cultura, e Raul Jungmann, da Defesa, avaliam entregar os cargos.
IMPEACHMENT: Até o início da tarde, de 18 de maio, era três pedidos de cassação de mandato. O senador Randolfe Rodrigues, da Rede, protocolou na Câmara dos Deputados, por exemplo, um dos pedidos de impeachment do presidente Michel Temer. Era o terceiro após a revelação do suposto envolvimento do presidente em um esquema de pagamento de mesada a Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro para que eles ficassem em silêncio. No dia 17 de maio, os deputados Alessandro Molon e João Henrique Caldas também protocolaram pedidos de impeachment de Temer.
PARADA NA REFORMA - O relator da Reforma Trabalhista no Senado, Ricardo Ferraço, anunciou a suspensão dos trabalhos da comissão que discute a pauta. O senador do PSDB afirmou que a crise institucional vivida pelo país após as delações de Joesley Batista, do Grupo JBS, tornam o assunto da Reforma algo secundário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário