quinta-feira, 3 de agosto de 2017

CORRUPÇÃO - PARANÁ

Chefe da Casa Civil do Paraná, supostamente indicou construtora envolvida na Quadro Negro, esquema acusado de desviar R$ 20 milhões
       O Jornal Gazeta do Povo, também divulgou nota informando que ao  protocolar sete ações civis públicas ligadas à Operação Quadro Negro, nesta quarta-feira (2 de agosto de 2017), o Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR) acabou revelando que Valdir Rossoni (PSDB), deputado federal licenciado e secretário-chefe da Casa Civil na gestão Beto Richa (PSDB), estaria ligado à Valor Construções, empresa acusada de um desvio de quase R$ 20 milhões a partir de contratos com a Secretaria da Educação para obras em escolas, entre 2011 e 2014. A existência das sete ações civis públicas, por atos de improbidade administrativa, foi revelada em reportagem da RPC, e confirmada pela Gazeta do Povo nesta quinta-feira (3). Nas peças, o MP pede bloqueio de bens e ressarcimento por danos morais, no valor de R$ 41 milhões.  Em trechos das peças levadas pelo MP à Justiça Estadual, consta que o próprio ex-diretor da Secretaria de Educação Maurício Fanini admite que foi Valdir Rossoni o responsável por “indicar” a empresa. Fanini contou aos investigadores que recebeu uma ligação da presidência da Assembleia Legislativa para que ele fosse até o gabinete de Rossoni, no comando da Casa, na época. Lá, o então deputado estadual, ainda segundo Fanini, teria dito o seguinte: “Olha, eu tenho uma empresa que está fazendo um bom trabalho lá em Bituruna e quer participar das obras do estado”.   Bituruna é a principal base eleitoral de Rossoni e contratos efetuados pela Valor Construções com a administração pública local foram assinados durante a gestão de Rodrigo Rossoni, que é filho do deputado federal licenciado. Para o MP, tais “interferências políticas seriam determinantes para que a empresa Valor Construções fosse admitida nos processos de licitação, no âmbito da Secretaria de Educação, mesmo tendo apresentado um acervo técnico precário”, anotaram os promotores de Justiça nas ações civis públicas.  Apesar da observação do MP, Rossoni não foi alvo das ações civis públicas. Procurado nesta quinta-feira (3), o MP informou que não está dando entrevistas a respeito. “Se eles realmente tivessem como sustentar qualquer coisa contra o Rossoni, eles teriam acusado. Por que não acusaram? Esses promotores de Justiça são fofoqueiros. Ficam fazendo acusações indiretas. Não tem nada contra o Rossoni”, afirmou o advogado do tucano. Clique aqui e veja nota publicada pelo MP Paraná. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário