quinta-feira, 3 de agosto de 2017

POLÊMICA - "Sistema chamado "Doar Club" gera polêmica em Borrazópolis

Moradores de Borrazópolis acusam um cidadão de Bom Sucesso, de os convencer a entrar em um negócio chamado Sistema de doações e ajuda mútua, conhecido como "Doar Club", e que perderam dinheiro 
VÍDEO - Clique no link, a esquerda, para ver um vídeo institucional que explica como o Doar Clube funciona 
    Muitos golpes tem sido aplicados em esquemas que firam conhecidos como "Pirâmides", que é crime no Brasil e em outras partes do mundo. É importante alertar que os golpes conhecidos como pirâmide financeira, tem modelo comercial previsivelmente não sustentável que depende basicamente do recrutamento progressivo de outras pessoas, chegando a níveis insustentáveis, momento em que todo mundo desaparece e quem fez investimentos e não conseguiu atrair outras pessoas, fica com o prejuízo. Na região Vale do Ivaí, cidade de Borrazópolis, Norte do Paraná, nossa reportagem foi procurada por moradores de Borrazópolis, os quais aderiram a um sistema que não tem venda de produtos, funciona através de doações e com a promessa de lucro, chamado "Doar Club". Os anunciantes dizem que é um sistema inteligente de doação espontânea que tem por objetivo distribuir renda entre seus participantes de maneira justa através de doações entre todos os grupos. Eles cobram 50 reais de taxa de adesão e 79,90 reais de mensalidade, mas os investimentos iniciais podem ser bem maiores, como um cidadão borrazopolense que investiu 800 reais. Nossa reportagem, falou com o morador de Bom Sucesso, conhecido como "Zequinha", ele ameaçou processar as pessoas que estão dizendo que o Doar Club é um golpe ou uma pirâmide financeira. "Eu sou apenas um membro do Clube; e fui a Borrazópolis dar explicações de como funcionava. Não existe milagre, é um sistema, como um banco, que pega o dinheiro, investe e depois devolve em forma de porcentagem. Agora que tem ocorrido, é que a pessoa paga o primeiro mês e já quer receber de volta, isso é impossível, ele tem que pagar dois meses para começar a receber os primeiros retornos", disse o morador de Bom Sucesso. Ele também negou que o Doar Club, seja piramide, porque não há produtos a venda e entra quem quiser. Também negou que seja preciso buscar novos associados para ter sucesso, bastando apenas ir depositado, mas ao ser indagado, afirmou que quem conseguir novos integrantes, recebe uma comissão. A quem conteste a informações, um advogado que consultamos, disse que há quem diga que por ser doação e não haver compra de produtos, não caracteriza pirâmide, mas a pirâmide já acontece quando o sistema exige busca trazer mais pessoas; as quais entram iludidas de que estão em um negócio rentável. A pessoas de Borrazópolis, que aderiram ao Sistema, estão revoltadas e pedindo o dinheiro de volta. Elas alegam, que na hora que foram orientadas, as informações eram bem diferentes das que estão sendo repassadas agora. Veja na íntegra, uma nota enviada pelo morador de Bom Sucesso: "É simples meu amigo, você sabe que hoje se não provarem em documento o que falam,  tudo da processo; e você sabe que doação é legal em qualquer lugar do mundo. E como eles estão falando isso, já tomei minhas providências, pois eles falaram que sou dono desse sistema, por isso, vão ter que provar. Sou um cadastrado como todos e quando eu entrei, entrei sabendo e ninguém foi forçado a nada. Só fui em Borrazópolis e expliquei para eles, como funciona e eles entraram de livre espontânea vontade. O Club tem regras e eles não cumpriram nem uma delas. Tenho vários áudios deles me chamando de vagabundo e ladrão. É o seguinte, o dinheiro que eles colocaram lá no Club, que não é meu, não vai dar nem para começar a pagar a indenização que vou mover contra eles. Eu quero ver se eles provam que depositaram algum valor na minha conta e que eu sou dono do Club. E mais, você pode ter certeza que eles também vão ter que provar que o Club e pirâmide ou coisa do tipo", disse Zequinha. Ele também afirmou que o Clube tem repórter, advogados e pessoas que podem atestar o que  está dizendo.  Nossa reportagem continua acompanhado a polêmica, que pelo jeito, está longe de terminar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário