segunda-feira, 9 de outubro de 2017

POLÊMICA - Coamo vira queda de braço de Ivaiporã e Jardim Alegre

                            EXCLUSIVO                          
O principal motivo é o escritório novo da Cooperativa localizado às margens da Rodovia PR 466,  o qual  foi construído nos limites do município de Jardim Alegre
VÍDEO - No link de vídeo, ouça a fala do prefeito Miguel Amaral, de Ivaiporã, sobre o caso 
Antes de versar sobre o tema é sempre importante fazer justiça em relação a COAMO. A empresa tem uma diretoria impecável na transparência, honestidade, ética, enfim, sempre tem agido de forma correta sem prejudicar os municípios onde atua e muito menos os cooperados, que são os verdadeiros donos do negócio. Por isso, chegou ao status de maior Cooperativa da América Latina e se transformou em uma referência para o mundo em se tratando do Agronegócio e gestão eficiente. QUEDA DE BRAÇO - Mas com uma empresa que tem tantos adjetivos e gera lucros, pois onde ela está instalada, a compra de produtos da agricultura e principalmente a venda insumos e outros, tem ajudado as cidades a aumentar suas arrecadações e principalmente nos últimos anos, onde o FPM - Fundo de Participação dos Municípios, tem encolhido e provocado uma crise evidenciada pelas prefeituras, é comum a luta para manter a sede neste ou naquele município.   Em Ivaiporã, não é segredo para ninguém que a COAMO tem, às margens da PR 466, saída para Manoel Ribas, na frente do IFPR - Instituto Federal do Paraná, uma estrutura com Silos destinados ao armazenamento de produtos agrícolas e escritório central. Até então, o conhecimento que se tem é que ali está a sede da COAMO Ivaiporã. O detalhe é que com a construção do Novo Escritório, inaugurado em 2017, surgiu um imbróglio. Segundo informações, o endereço das instalações, está exatamente em cima da divisa dos dois municípios, e para ser mais preciso, os Silos ficam em cima do território de Ivaiporã, e o Escritório e Loja, onde os insumos e demais produtos são comercializados e faturados, em Jardim Alegre. Detalhe que fez com que o deparamento de tributação de Jardim Alegre, requeresse o CNPJ. "É importante ressaltar que o que a COAMO compra em Cereais, é tudo dividido corretamente por município, não há questionamentos, mas a alteração do CNPJ do escritório, será uma perda para Ivaiporã que no passado deu incentivos para construção da estrutura existente. Com isso concretizado, todas as vendas serão creditadas para Jardim Alegre, aumentando a arrecadação daquele município e diminuindo a de Ivaiporã", disse um dos advogados que representa Ivaiporã. Segundo ele, o impasse está neste momento nas mãos da Receita Estadual, que vai dar o seu veredito, mas que ele, o veredito, não deve finalizar a queda de braço. Por telefone, o prefeito José Roberto Furlan, de Jardim Alegre, disse que não há polêmicas e tudo já está definido, ou seja, a COAMO vai faturar suas vendas para Jardim Alegre.   Já o prefeito Miguel Amaral, declarou a nossa reportagem que o faturamento vai continuar com Ivaiporã: "Apesar do escritório estar dentro de Jardim Alegre,  90% da Cooperativa está em  Ivaiporã, além disso, todos os cereais que saem de Jardim Alegre, já  são creditados para Jardim Alegre, assim como os cereais de Arapuã, Ariranha e de outros municípios. A origem da mercadoria não muda", disse o Prefeito Miguel Amaral.   Portanto, tudo indica que ainda teremos alguns capítulos deste impasse.   No link de vídeo, ouça entrevista com o prefeito Miguel Amaral, sobre o tema. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário