segunda-feira, 9 de outubro de 2017

POLÊMICA - Prefeito de Ivaiporã diz que é inevitável a nova associação

       POLÍTICA   -    Depois da reunião secreta da AMUVI  em Bom Sucesso, prefeito Miguel Amaral de Ivaiporã disse que a nova associação vai ser criada e com mais de dez cidades 
BERIMBALADAS - O Prefeito Miguel Amaral, disse na segunda-feira, dia 09 de outubro, de 2017, em entrevista ao repórter Ronaldo Senes, que é inevitável a criação de uma nova associação de prefeitos. Ele também se mostra irritado quando alguém diz que o nascimento da "Central dos Municípios", AMOCEN,  é sinônimo de "Racha" ou "Divisão".  "O prefeito de Apucarana, "Beto Preto", atual presidente da AMUVI- Associação dos Municípios do Vale do Ivaí (26 cidades) deveria apoiar, porque estamos falando e idealizando uma Macro Regional, pois agregaremos cidades da AMOCENTRO - Associação dos Municípios do Centro do Paraná  e vamos trazer mais força para o Vale do Ivaí, pois teremos aqui duas associações fortes. Outro detalhe, já estamos acordados que a cada 90 dias, as três entidades (AMUVI, AMOCEN e AMOCENTRO) farão  uma reunião conjunta", desabafou Miguel Amaral. Ele também levantou suspeitas de que Beto Preto tem manipulado, produzido matérias ou  induzido ao erro, o Jornal Tribuna do Norte e outros órgãos de imprensa de Apucarana, que após a reunião secreta de Bom Sucesso, deram como enfraquecida a Central dos Municípios ouvindo apenas o lado do Presidente da AMUVI, o que não é correto.    "Não existe franqueza e nem o barco afundou; é claro que os prefeitos não iriam bater de frente com a diretoria da AMUVI naquele encontro, mas nós e vários prefeitos da região concordamos com o nascimento de uma nova associação. Há alguns casos, como  o prefeito Ylson Cantagallo de Faxinal, que amenizou o tom, mas tenho certeza que ele também virá conosco", afirmou Miguel Amaral.  Para ver um trecho da entrevista com Miguel Amaral, concedida com exclusividade ao Blog do Berimbau e Rádio Nova Era, ouça o link de vídeo.   SOBRE A REUNIÃO SECRETA - Como já haviam adiantado as pautas da reunião secreta da AMUVI - Associação dos Município do Vale do Ivaí, que foi realizada na sexta-feira, dia 06 de outubro, em Bom Sucesso, o tema "Racha", ou divisão da entidade, foi o predominante. Um grupo de prefeitos, ligados ao "Beto Preto", de Apucarana, tentaram convencer o prefeito Miguel Amaral, de Ivaiporã, a desistir da crianção da AMOCEN Associação dos Municipais da Região Central (Central dos Município), que inicialmente teria a sua composição com mais de 10 cidades do Vale do Ivaí, que hoje integram a AMUVI, com 26 municípios. Apesar dos apelos, "Miguel Amaral", que não admite que perdeu soldados, entre eles, o prefeito Ylson Cantagallo, de Faxinal, que adotou o discurso mais ameno, dizendo que neste momento de crise é preciso união, afirmou que vai continuar com seu objetivo. Pelos discursos, seis prefeitos acreditam que o racha seria importante, entre eles: Reinaldo Grolla, de Lunardelli; Adauto Mandu, de Lidianópolis; José Gonçalves, de Godoy Moreira; José Roberto Furlan, de Jardim Alegre e Augusto Cicatto, de Ariranha do Ivaí. O Prefeito de Marilândia do Sul, Aquiles Takeda, ligado a "Beto Preto", disse que o carreto seria respeitar a eleição da atual diretoria e se o racha for inevitável, que ele acontecesse apenas na próxima eleição. Ao final, Miguel Amaral, ficou de conversar com os 13 prefeitos que participaram, em 2017, de uma reunião em Ivaiporã, para saber qual será a decisão deles. O prefeito Raimundo Severiano de Almeida, de Bom Sucesso, demonstrou uma importante liderança e bom contato com todos os demais prefeitos, no sentido de encontrar um rumo certo para a entidade. Também a uma proposta, para que na próxima eleição, Miguel Amaral seja o candidato único. CRISE - Em relação a crise, a reclamação foi geral. Alguns acreditam que seria necessário uma medida adotada pela AMUVI, para demonstrar a população, que a arrecadação caiu e muitos serviços serão prejudicados. O prefeito de Faxinal, que já anunciou o cancelamento da festa de Novembro, falou até em moratória, que quando decretada, concede prazo de quitação de uma dívida, concedida pelo credor ao devedor para que este possa cumprir a obrigação além do dia do vencimento. Uma possibilidade é o fechamento das prefeituras, pelo menos em meio período. Todos os assuntos serão ainda melhor estudas e outra reuniões devem ocorrer no futuro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário