sexta-feira, 6 de outubro de 2017

TRAGÉDIA - Chegou a dez o número de vítimas do ataque em Minas

Vigia de creche em Minas põe fogo em crianças e oito morreram. Uma professora e o próprio autor do atentado também faleceram
Mais uma criança faleceu em Minas Gerais, levando dez o número de vítimas. Como informamos, um  crime bárbaro chocou o Brasil nesta quinta-feira (5 de outubro). Crianças morreram queimadas em uma creche em Janaúba.  40 pessoas  ficaram feridas. O vigia da creche ateou fogo nas crianças e, depois, no próprio corpo. Uma cidade de 70 mil habitantes em choque. Janaúba, norte de Minas Gerais, presenciou a tragédia em uma creche, onde as crianças que estudavam tinham menos de 6 anos. Era por volta de 9h40 quando o vigia Damião Soares dos Santos, de 50 anos, deu início ao atentado. Testemunhas disseram à polícia que Damião bateu no portão principal da creche. A funcionária que atendeu permitiu que ele entrasse, porque era funcionário da escola e estava afastado das funções. Ele caminhou até uma porta com uma mochila nas costas. No salão, estavam as crianças em uma atividade em comemoração ao 12 de outubro. Foi nessa hora que ele tirou da mochila o combustível, jogou nas crianças, no chão e no próprio corpo e ateou fogo. As chamas se espalharam rapidamente e atingiram, também, outras salas de aula. Em pânico, alunos e funcionários deixaram objetos para trás. Quatro crianças, todas de 4 anos, morreram ainda no salão, e demais morreram a caminha e no hospital. Uma professora ficou gravemente ferida com 100% do corpo queimado e morreu durante à noite. O vigia Damião Soares morreu cinco horas depois de cometer o atentado. MORTOS - Os nomes de 07  crianças que morreram no incêndio são: Talita Vitória Bispo tinha 4 anos, Ana Clara Ferreira, Juan Miguel Soares Silva, Juan Pablo Cruz dos Santos, Renan Nicolas Santos, Luiz Davi Carlos Rodrigues, Cecilia Davina Gonçalves Dias e Yasmin Medeiros Salvino. A professora Heley de Abreu Silva Batista, 43, que tentou impedir Santos, que o segurança jogasse álcool. Ela também não resistiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário