quarta-feira, 28 de junho de 2017

POLÊMICA - Ex-prefeito Carlos Gil chama denúncia do MP de absurda

EXCLUSIVO - ENTREVISTA COM GIL 
Justiça decreta indisponibilidade de bens de ex-prefeito, ex-secretário e empresário. Carlos Gil,  concedeu entrevista, ouça no link de vídeo e, parte da transcrição, no final do matéria 
Atendendo pedido formulado pelo Ministério Público do Paraná em ação de improbidade administrativa, o Juízo da Vara Cível de Ivaiporã, no Norte-Central paranaense, decretou liminarmente a indisponibilidade de bens do ex-prefeito municipal e do ex-secretário de obras da gestão 2013-2016, bem como de uma empresa e seu proprietário, contratados pela Prefeitura Municipal de Ivaiporã para realização de obras de revitalização de uma praça no centro da cidade. As investigações do MPPR tiveram início a partir de denúncia de uma vereadora de que, nas obras da praça pública, estariam sendo utilizados funcionários da Prefeitura na execução de serviços que seriam de responsabilidade da empresa contratada. O MPPR apurou que, além da irregularidade relatada, houve superfaturamento da obra, tendo em vista que a planilha orçamentária elaborada pelo ex-secretário de obras continha valores em média 30% acima dos valores de mercado. A empresa vencedora foi a única concorrente na licitação, apresentando proposta exatamente igual ao valor da planilha orçamentária superfaturada elaborada pelos agentes públicos. Ademais, após a finalização das obras, os réus celebraram termo aditivo ao contrato original visando realizar obras em praça pública distinta da original, dispensando indevidamente o procedimento licitatório. Foi decretada a indisponibilidade de bens dos réus no valor de R$ 480 mil, levando-se em conta o prejuízo causado ao erário e o valor da multa civil a ser eventualmente imposta aos réus, caso sejam condenados. No mérito, a ação requer a condenação dos réus às penas da Lei de Improbidade, como o ressarcimento integral do dano, o pagamento de multa e a suspensão dos direitos políticos, entre outras. RESPOSTA DO PREFEITO - Ao vivo, com o repórter Ronaldo Alves Senes, o "Berimbau", o ex-prefeito Carlos Gil, falou sobre a denúncia, a qual ele chamou de absurda e cheia de erros. "E impostante ressaltar que na construção da praça, eram mais de 90 itens, sendo que o MP aponta supostos problemas, apenas em três deles e ainda faz avaliações completamente equivocadas. Um exemplo, foi buscar a planilha de preços do SINAPI - Índices da Construção Civil, que muitas vezes apresenta diferença que são comuns de uma região para outra. Outro detalhe para exemplificar, se avaliou o granito como um granito comum, e não era. Os blocos de paver, avaliaram apenas ele, mas tem o meio fio, o tapete que o acompanha, e nada disso foi considerado", disse o prefeito. Carlos Gil salientou ainda que foram quatro anos de mandato, com inúmeras obras de qualidade, tudo feito com a mais completa lisura, inclusive não abastecendo seu carro na conta do município e devolvendo parte do salário para ser investido em favor do cidadão, fatores que demonstram que seu governo era transparente.  Sobre funcionários da prefeitura prestar serviço no local, Gil disse que este detalhe é o mais claro, pois toda parte de paisagismo, não era de competência da empresa vencedora da licitação, por tanto, coube aos servidores da prefeitura, não restando nenhuma anormalidade.  "Eu lamento que o Ministério Público, divulgue uma matéria desta, na imprensa, nos igualando com as mazelas que acontecem na vida pública, sem ter nos ouvido, sem ter apurado exatamente o que ocorreu, algo que vai nos causar constrangimento e injustiça, principalmente ao empresário, que é uma pessoa séria e tem bons serviços prestados a Ivaiporã", finalizou Gil.  No link de vídeo, ouça a entrevista com o prefeito. 

Um comentário:

  1. Tem que postar o nome da vereadora tambem, pois tem politicos que nada fazem, e quando fazem é para prejudicar aqueles que fizeram algo de bom para todos, caso do Sr Carlos Gil, que não precisava de salario de politico. Ele é sério, competente, e mudou Ivaiporã, que estava acabado.

    ResponderExcluir