sábado, 25 de fevereiro de 2017

POLÊMICA - Sentença condena atual prefeito de Cândido de Abreu

Denúncia de supostas irregularidades na compra de combustível em Cândido de Abreu resultou em condenação de perda de mandato, cassação dos direitos políticos e ressarcimento de mais de um milhão aos cofres públicos. A decisão cabe recurso 
     Nossa reportagem recebeu informações, neste mês de fevereiro (2017) que inclusive constam no Projudi (Processo Eletrônicos do Paraná), que o Juiz de Direito Eldom Stevem Barbosa dos Santos, sentenciou o prefeito reeleito José Maria Reis Junior, o então vereador Pedro Paulo Coelho e alguns familiares de Coelho, a perda de funções políticas, caso estejam exercendo, que é o caso do prefeito José Maria, e ainda suspensão dos direitos políticos de cinco a seis anos e pagamento de uma multa milionária, que seria o ressarcimento integral de R$ 1.272.060,05 (um milhão, duzentos e setenta e dois mil, sessenta reais e cinco centavos), que seria o valor do dano ao erário. A sentença não significa que o prefeito já está cassado, porque cabe recurso e ele pode fazer isto no cargo, mas aponta o reconhecimento das irregularidades denunciadas em um suposto esquema de compra de combustíveis. Existe ainda uma primeira sentença que também é contra o prefeito referente a uma outra denúncia, que seria a do fornecimento de marmitas para a prefeitura. Nossa reportagem não conseguiu falar com os acusados, ou citados que aparecem na sentença do Juiz, mas nos colocamos a disposição para qualquer esclarecimento que seja necessário. Em 2013, quando publicamos reportagem sobre os fatos, os citados negaram qualquer ato de irregularidade e disseram que vão provar suas inocências.  SOBRE O CASO - Conforme nossa reportagem (Blog do Berimbau) publicou, em setembro de 2013, o então vereador Pedro Paulo Coelho, de Cândido de Abreu, foi alvo de duas ações movidas pelo Ministério Público, da comarca local, que resultaram na instauração de inquérito civil para apurar possíveis atos de improbidade administrativa. O primeiro caso diz respeito a contratação da empresa F. Coelho & Cia., uma vez que esta tem como sócios parentes do vereador, mas cujo real proprietário seria Pedro Paulo Coelho. Segundo a denúncia de outro, o Município teria firmado contrato, após prévia licitação, com a empresa, a fim de aquisição de combustível para o abastecimento da frota municipal, e por isso havia dúvida quanto à legalidade de tal contratação, uma vez que a Constituição Federal e   Estadual como também a Lei Orgânica  rezam a proibição da Prefeitura firmar contrato com empresas que pertençam ou sejam de familiares de ocupantes de cargos na administração pública.   A segunda suspeita, diz respeito ao fornecimento de marmitas para empregados lotados na Secretaria de Viação e Serviços Urbanos, por meio de dispensa de procedimento licitatório. Novamente a empresa que forneceu, denominada “Pedro Paulo Coelho - Me”, pertence a Pedro Paulo Coelho, e o órgão que recebeu, tem como encarregado um parente do citado. 

4 comentários:

  1. quando o povo esta em primeiro lugar acontece isso mas a justiça eta sendo feita perdemos a aleição 2016 afirmando que existiam irregularidades na administração agora esta provado

    ResponderExcluir
  2. Nós temos os governantes que merecenos, tai lixo em cima de lixo, todos os dias escândalos, indicações, acusações com p4ovas, mas os pilantras sempre falam, vamos provar nossa inocência. Fala sério, há mais do que na hora de começar a revolução e por fim nessa vergonha, raríssimos são os que tem objetivos sérios, o resto é essa mercadoria que temos aí, pior que devios além de deixá-los mais ricos tbm financiam campanhas sujas. PARA O Brasil, temos que começar do zero.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. foi direto ao ponto otimo nada faz quando o acusado tem muito dinheiro a sua opiniao esta correta

      Excluir
  3. Amigos enquanto nao derrubarmos um orgao sacana sujo e mais avassalador que existe chamdo 'STF' vai ser sempre assim o nosso brasil...

    ResponderExcluir