30/11/2015

ELEIÇÕES 2016: Votação poderá ser manual em 2016

Judiciário diz que corte em orçamento inviabilizará voto eletrônico em 2016
          O Governo Federal oficializou nesta segunda-feira (30 de novembro, de 2015) o corte de R$ 13 bilhões do orçamento. As medidas afetam também o Congresso e a Justiça. A primeira reação foi da Justiça Eleitoral, que informou, em nota: "O contingenciamento inviabilizará as eleições de 2016 por meio eletrônico", ou seja, sem dinheiro, a compra de novas urnas e a manutenção das antigas ficam comprometida. Segundo o TSE, há risco de votação com urnas de lona e cédulas de papel, mas ainda não é possível dizer quanto do processo eleitoral seria afetado. O TSE diz que vai pedir ajuda ao Congresso para garantir a verba. No Judiciário, o corte foi de R$ 1,7 bilhão. Câmara e Senado sofreram contingenciamento de R$ 173 milhões. No Executivo, os cortes somam R$ 11,2 bilhões. E R$ 10,7 bilhões são dos chamados gastos não obrigatórios: por exemplo, despesas com passagens aéreas, diárias, investimentos, aluguéis e até contas de água e luz. E R$ 500 milhões saíram de emendas de parlamentares. Entre os ministérios mais atingidos estão: o das cidades, o dos transportes e o da integração nacional. Os cortes não atingiram o Ministério da Saúde, nem os gastos mínimos com educação previstos na Constituição. Também foram preservados os pagamentos de benefícios da Previdência, do abono salarial e do seguro desemprego, o Bolsa Família e os salários dos servidores. Na presidência da República, o contingenciamento foi de quase R$ 100 milhões. E a primeira consequência foi o cancelamento da viagem da presidente Dilma Rousseff para o Japão e o Vietnã. O governo precisa que o Congresso aprove a nova proposta de meta fiscal para 2015, que prevê déficit de R$ 51,8 bilhões. Os cortes também são para assegurar o cumprimento da lei de responsabilidade fiscal e evitar ações contra a presidente Dilma. Em Paris, ela disse que acredita na aprovação da mudança. Mas que, em caso de derrota, o governo estuda alternativas para diminuir o impacto. O especialista em contas públicas Mansueto Almeida disse que a situação é grave. “O governo terá que de alguma forma de fato revisar essa meta. Se não, o governo terá que parar, absolutamente parar, e mesmo assim não cumprirá a meta que foi estabelecida no início do ano”, diz Mansueto Almeida, economista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA ANTES DE COMENTAR!
- Os comentários são moderados.
- Só comente se for relacionado ao conteúdo do artigo acima.
- Comentários anônimos serão excluidos.
- Não coloque links de outros artigos ou sites.
- Os comentários não são de responsabilidade do autor da página.

Para sugestões, use o formulário de contato.
Obrigado pela compreensão.

ROLAGEM INFINITA