Páginas


15/03/2023

APUCARANA - Janeiro e fevereiro teve o dobro da média histórica de chuva

Apucarana registrou um volume de chuvas de 670,8 mm nos meses de janeiro e fevereiro deste ano, o que corresponde ao dobro da média histórica do município. Neste cenário, os prejuízos foram grandes em diversos setores. O prefeito Junior da Femac cita que o volume pluviométrico, medido em Apucarana pelo Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), nos meses de janeiro e fevereiro, provocou danos consideráveis nas estradas rurais, no pavimento das vias urbanas e em outros setores. “O excesso de chuvas também resultou no atraso da colheita de soja e prejuízos na construção civil. Gerou ainda uma sobrecarga nos serviços de manutenção das estradas vicinais, das ruas no perímetro urbano e do trabalho das equipes de roçagem”, avalia o prefeito. Junior da Femac informa que duas equipes estão atuando na cidade – nos dias de estiagem -, no trabalho de tapa-buracos e recape em alguns setores mais danificados. Na zona rural, a prefeitura também mantém duas equipes com operários e maquinários trabalhando diariamente para recuperar as estradas. O secretário de saúde, Emídio Bachiega, diz que o volume anormal de chuvas também ocasionou problemas, na rede pública de saúde. De acordo com o pediatra Luiz Carlos Busnardo, que faz parte da equipe médica do Centro Infantil de Apucarana, foi registrado nas últimas semanas um aumento de 80% nos casos de doenças respiratórios entre crianças, tanto da rede pública como privada. Busnardo explica que essa situação na saúde pública se agrava com uma maior incidência de chuvas. “Também coincide com o período em que as crianças voltam para as creches e escolas. A soma destes dois fatores resulta num surto de proliferação de vírus, facilitando a ocorrência de doenças bacterianas graves, como pneumonia, rinossinusite, infecção de ouvido entre outras. Esse é um processo anual”, afirma Busnardo. Danos na agricultura - Segundo Paulo Sérgio Franzini, do Departamento de Economia Rural (Deral), do Núcleo Regional da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, houve um volume maior de chuvas a partir de dezembro e isso foi intensificado em janeiro e fevereiro. “As chuvas estão bem acima da média. Em fevereiro, choveu 340 milímetros sendo que o normal para esse mês é 170 milímetros, ou seja, choveu o dobro do esperado”, exemplifica. Outro aspecto que chama a atenção é a sequência de chuvas. “Dos 28 dias do mês de fevereiro, somente em cinco dias não houve registro de chuva e, mesmo assim, o tempo ficou encoberto nestes dias”, reitera. As condições climáticas estão sendo muito prejudiciais para a agricultura, afetando as culturas da soja, milho e hortaliças. “O ciclo da soja se prolongou pela falta de luminosidade e agora, na hora tirar o grão da lavoura, as chuvas também estão atrapalhando e somente entre 30 e 40% da safra foi colhida até o momento, sendo que o normal seria 60% para esta época”, afirma Franzini, acrescentando que isso irá gerar um atraso no plantio da segunda safra do milho. Além disso – continua Franzini – as chuvas também vêm afetando a horticultura. “Especialmente as folhosas, o que está provocando a elevação dos preços ao consumidor”, completa o economista do Deral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA ANTES DE COMENTAR!
- Os comentários são moderados.
- Só comente se for relacionado ao conteúdo do artigo acima.
- Comentários anônimos serão excluidos.
- Não coloque links de outros artigos ou sites.
- Os comentários não são de responsabilidade do autor da página.

Para sugestões, use o formulário de contato.
Obrigado pela compreensão.

CARREGANDO MAIS POSTAGENS...