21/06/2021

Abacate conquista o lugar do café no Vale do Ivaí e no Norte do Paraná

  As curvas em sequência na estrada rural de terra batida terminam na propriedade do agricultor João Costa. É lá, no sítio de 18 alqueires em um distrito de Apucarana, no Vale do Ivaí, que ele se esconde. Passa horas e horas, dias e dias, absorto pelas árvores de abacate. Só volta para a cidade quando o sol já não é mais companhia na roça. É do sítio que tira o sustento da família. São 600 pés e mais de 400 toneladas de abacate por ano que ele espalha pelo Brasil – São Paulo, Pará e Pernambuco são alguns dos estados compradores. Fora a outra propriedade, em Lidianópolis, que tem mais 75 pés dando fruto. Produção em expansão, assim como tantos outros agricultores da região, o seu João trocou o café pela fruta. Ainda mantém uma pequena plantação do “ouro negro”, mas por pouco tempo. Já decidiu que vai usar todo o espaço em Apucarana para o abacate, adicionar a variedade Breda às variedades Margarida e Quintal, que ele já cultiva. “São mais de 30 anos de abacate. Comecei com 20 pés e decidi me dedicar porque logo na primeira colheita consegui comprar um Uno zero. Vi que esse era o caminho. Já encomendei 400 mudas e quero fechar o ano com mais de mil pés”, destaca o agricultor. O veterano “abacateiro” é um dos puxadores do crescimento da participação da fruta no Paraná. O abacate teve um incremento de 19% na área de plantio e de 34,1% em produção no Estado nos últimos dez anos. Apesar de o volume ainda não ser expressivo nacionalmente, é uma cultura importante, sobretudo no Vale do Ivaí e na Região Norte. De acordo com o censo agropecuário elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) em 2019, o Paraná é o terceiro maior produtor de abacate do País, responsável por 9,7% do volume nacional. Fica atrás apenas de São Paulo e Minas Gerais. O solo paranaense produziu ano passado 26,4 mil toneladas da fruta em 1,3 mil hectares, o que representa 1,9% do volume da fruticultura estadual. Em 2019, o Valor Bruto da Produção (VPB) somou R$ 4,9 milhões. NO ESTADO – O Norte e o Vale do Ivaí respondem por 75% dos frutos no Paraná. Apucarana é o principal produtor, com 11,4% do volume. Arapongas vem em segundo lugar com 8% da produção. “São 1,2 mil fruticultores com produtividade média de 21 toneladas por hectare. O Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná recomenda o cultivo de diversas variedades e em altitudes diferentes, oportunizando a colheita durante boa parte do ano”, diz Paulo Andrade, técnico do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Levantamento do órgão aponta que o abacate foi a 13ª fruta mais comercializadas nas cinco unidades da Ceasa do Paraná em 2020 – 8,9 mil toneladas, resultando em um valor bruto da produção de R$ 30,5 milhões. O preço médio ficou em R$ 3,42/kg. NACIONAL – O abacate é cultivado em 15,3 mil hectares do território brasileiro. Entre as frutas, é a 17ª em área e VBP, com R$ 362,2 milhões apurados em 2019 pelo IBGE. Em volume de produto colhido, ocupa o 15º lugar, com 242,9 mil toneladas. No ano passado, foi a 12ª colocada entre as frutas mais exportadas pelo Brasil. Foram enviadas 7,6 mil toneladas para o Exterior, o que rendeu US$ 13,2 milhões. O País também é importador da fruta. No mesmo ano, foram compradas 326 toneladas, pelas quais o País pagou US$ 874 mil. Em âmbito mundial, o México lidera a produção, com 34,6% da oferta de 6,3 milhões de toneladas registrada em 2018. SÉRIE – O abacate de Apucarana integra a série de reportagens Paraná que alimenta o mundo, desenvolvida pela Agência Estadual de Notícias (AEN). A série mostra o potencial do agronegócio paranaense. Os textos são publicados sempre às segundas-feiras. A previsão é que as reportagens se estendam durante todo o ano de 2021.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA ANTES DE COMENTAR!
- Os comentários são moderados.
- Só comente se for relacionado ao conteúdo do artigo acima.
- Comentários anônimos serão excluidos.
- Não coloque links de outros artigos ou sites.
- Os comentários não são de responsabilidade do autor da página.

Para sugestões, use o formulário de contato.
Obrigado pela compreensão.

ROLAGEM INFINITA