quarta-feira, 10 de outubro de 2018

PARANÁ - Financiamentos de veículos estão liberados em todo o Estado

               O chefe da Casa Civil, Dilceu Sperafico, e o diretor-geral do Detran Paraná, Marcello Panizzi, receberam representantes de revendedoras de veículos no Paraná na manhã desta quarta-feira para comunicar a liberação dos financiamentos de veículos em todo o Estado. Muitos processos foram represados por decisão da Federação Brasileira dos Bancos, Febraban, após o Detran dar início a um novo modelo de registro de contratos de financiamentos de veículos. A medida atende deliberação do Conselho Nacional de Trânsito, Contran. De acordo com Marcello Panizzi, os financiamentos serão liberados. Durante encontro com lojistas, no Palácio Iguaçu, houve uma comunicação direta com representante dos bancos e a garantia de que os financiamentos vão ser autorizados. O Detran também informou a publicação de uma nova portaria sobre a questão, disponível no site do Departamento, e confirmou o credenciamento de mais uma empresa para realizar o registro de contratos de financiamento. Para o advogado da categoria, Igor José Algar, a abertura de diálogo foi essencial para resolver essa questão. Segundo ele, a partir de agora o trabalho da categoria volta ao normal.  O bloqueio dos financiamentos foi fruto de um desentendimento dos bancos sobre o edital do Detran-PR, que abriu a possibilidade de credenciamento de novas empresas especializadas em registro de contratos, conforme resolução do Contran, e passou a valer no dia 1º de outubro. Até então, apenas a Federação Nacional de Seguros, que é vinculada à Bovespa, operava o serviço de registro de contratos e anotação de gravame, um ato vedado pelo Contran. O fim deste sistema desagradou os grandes bancos e financeiras, que alegaram que o ato do Detran estava em desacordo com regras de compliance. A abertura para o credenciamento de outras empresas põe fim ao monopólio que existia, e abre a possibilidade de concorrência ampla entre instituições interessadas em prestar o serviço. Com isso, os valores anteriormente cobrados do consumidor no momento da assinatura dos contratos de créditos tendem a cair.