Páginas




 


25/05/2022

CONFRONTO - Mais detalhes da Operação que terminou em 24 mortes no RJ

   A notícia, do Brasil que continua repercutindo internacionalmente, é a morte de 24 pessoas, durante operação policial na Vila Cruzeiro, na Zona Norte do Rio. . “Quatro horas da manhã, começou operação aqui na Vila Cruzeiro. Muito tiro, mas muito tiro mesmo. Os policiais do Bope entraram aqui com um blindado e vários carros. E a bala está comendo”, diz um morador em um vídeo. Ainda de madrugada, 80 homens do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal cercaram a Vila Cruzeiro, na Zona Norte do Rio. Segundo a polícia, chefes da facção mais violenta do estado estavam reunidos na comunidade, preparados para invadir outra favela. A Polícia Rodoviária Federal participou com 26 homens e 11 carros blindados. Integrantes da facção são acusados de roubo de carga e roubo de veículos em rodovias federais e vinham sendo monitorados. Informações de inteligência da Polícia Federal também foram usadas na operação, que vinha sendo planejada há várias semanas. Segundo a polícia, a ação foi desencadeada às pressas depois de um ataque dos traficantes. “A operação era uma operação de inteligência. Era um monitoramento para que a prisão fosse feita fora da comunidade. E isso não foi feito exatamente por um ataque por parte dos criminosos daquela facção a uma guarnição nossa. Então, todo o aparato que estava preparado para fazer uma ação de prisão desse grupo criminoso que estava se deslocando para uma outra localidade. Foi realizada de forma emergencial, comunicado a todo órgão do Ministério Público, a todas as instituições envolvidas com aquela ação”, diz o tenente-coronel Uirá do Nascimento Ferreira, comandante do Bope. Barricadas colocadas por bandidos fecharam várias ruas da comunidade. Muitos moradores não conseguiram sair de casa. Trinta e três escolas municipais não abriram na Vila Cruzeiro e no Complexo Alemão, que fica perto. Durante a operação, uma mulher morreu dentro de casa na Chatuba, uma comunidade vizinha. Gabrielle da Cunha tinha 41 anos. Em sua rede social, o presidente Jair Bolsonaro, elogiou a ação dos policiais. Veja a nota completa na imagem publicada, a direita, nesta reportagem. (Fonte de parte do texto do Jornal Nacional e foto G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA ANTES DE COMENTAR!
- Os comentários são moderados.
- Só comente se for relacionado ao conteúdo do artigo acima.
- Comentários anônimos serão excluidos.
- Não coloque links de outros artigos ou sites.
- Os comentários não são de responsabilidade do autor da página.

Para sugestões, use o formulário de contato.
Obrigado pela compreensão.

CARREGANDO MAIS POSTAGENS...