10/09/2020

Ações educativas de prevenção ao suicídio e automutilação

Segundo dados do Ministério da Saúde, apenas em 2019 foram 13.105 óbitos causados por lesões autoprovocadas intencionalmente, número 2,9% superior ao verificado no ano anterior 
      No Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, 10 de setembro, uma nota publicada pelo "Bem Paraná", diz que a cada 40 minutos, uma pessoa dá cabo à própria vida no Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde, apenas em 2019 foram 13.105 óbitos causados por lesões autoprovocadas intencionalmente em todo o país, número 2,9% superior ao verificado no ano anterior. Só no Paraná, estado que representa 5,4% da população brasileira, registrou-se 7,1% dos suicídios (925 mortes), o que dá uma média de cinco registros a cada dois dias. Por isso, neste ano de 2020, o Ministério da Saúde lança as Ações de Educação em Saúde em Defesa da Vida, uma série de atividades educativas, itinerantes e on-line que contemplam a realização de quatro ciclos de promoção e prevenção em saúde. No primeiro ciclo, as ações são voltadas à prevenção do suicídio e da automutilação, a partir do Setembro Amarelo. A iniciativa foi apresentada às 11h desta quinta-feira (10/9), em cerimônia no Palácio do Planalto, Brasília (DF). “A problemática da saúde mental como resultado da pandemia precisa ser tratada de maneira direta, com programas sérios e de qualidade, para que a gente não perca ainda mais pessoas. E nisso, nós somos pioneiros. Estamos à frente com programas que tratam abertamente sobre o assunto”, destacou o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, durante o evento. As atividades incluem cursos a distância, encontros, palestras e elaboração de materiais para ampliar o atendimento em saúde, a formação nas escolas e nas comunidades. O objetivo é qualificar o conhecimento de profissionais da área, conselheiros tutelares, professores, líderes sociais, religiosos e de entidades beneficentes, tornando-os multiplicadores da prevenção. “No dia 10, o mundo inteiro escolheu a data para fazer campanhas de prevenção ao suicídio e à automutilação. E o Ministério da Saúde vai aproveitar a data para iniciar um ciclo de palestras, um ciclo de ações educativas em saúde, levando conhecimento de qualidade a todo o Brasil”, disse Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde (SGTES). A iniciativa é desenvolvida em parceria com os ministérios da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, da Educação e entidades como a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Os conteúdos educativos estão disponíveis no site prevencaoevida.com.br, onde as inscrições para as atividades já estão abertas e de forma gratuita. O portal também abriga cartilhas e videoaulas. O público-alvo são adolescentes entre 11 e 18 anos e multiplicadores. Para a secretária Mayra Pinheiro, o projeto é mais um aliado no combate à chamada quarta onda da Covid-19, relacionada ao aumento de casos de doenças mentais decorrentes da pandemia. “O Brasil tem sido pioneiro em várias ações de enfrentamento à Covid-19 e foi, de novo, o primeiro país no mundo que começou a fazer ações de prevenção à doença mental. Nós estaremos incorporando ao SUS a relação nacional de medicamentos especificamente voltados a doenças mentais. Estaremos colocando à disposição da população, nos próximos meses, as práticas integrativas, para que haja terapia complementar para as pessoas que vão procurar psicólogos e psiquiatras e que tiveram gatilho para iniciar doença mental decorrente das aflições por causa da Covid-19”, explicou a Secretária. As ações baseiam-se na Política Nacional de Educação Permanente em Saúde (PNEPS), adotada como estratégia do Sistema Único de Saúde (SUS) para a formação e o desenvolvimento dos seus profissionais, buscando articular a integração entre ensino, serviço e comunidade. Além de Brasília, o projeto também será apresentado em Fortaleza (11 e 12 de setembro), Belo Horizonte (18 de setembro) e Curitiba (24 de setembro). OUTRAS TEMÁTICAS - Nos próximos meses, as Ações de Educação em Saúde em Defesa da Vida também irão abordar mais três assuntos de forma inédita: gravidez na adolescência, uso de drogas lícitas e ilícitas e ética da vida (relacionada à prevenção da violência contra crianças, mulheres e idosos). Assim como na prevenção ao suicídio e da automutilação, as outras temáticas também vão promover atividades educativas e itinerantes. “Com essas ações, o Ministério da Saúde espera levar à sociedade conhecimento de qualidade para que nós possamos, em um futuro bem próximo, reduzir esses tristes indicadores que afligem a sociedade brasileira”, concluiu a secretária Mayra Pinheiro. MENTALIZE - Desde o final de agosto, a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES) promove ações voltadas à saúde mental, na expectativa de aumentar o bem-estar do brasileiro diante da pandemia da Covid-19. Uma delas foi o Mentalize: sinal amarelo para a saúde mental. Em três encontros on-line, especialistas falaram sobre saúde da criança e do adolescente, dos trabalhadores e dos idosos, com o objetivo de desmistificar o assunto. Os programas podem ser assistidos de forma gratuita no canal do Youtube do Ministério da Saúde. (Ministério da Saúde)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA ANTES DE COMENTAR!
- Os comentários são moderados.
- Só comente se for relacionado ao conteúdo do artigo acima.
- Comentários anônimos serão excluidos.
- Não coloque links de outros artigos ou sites.
- Os comentários não são de responsabilidade do autor da página.

Para sugestões, use o formulário de contato.
Obrigado pela compreensão.

ROLAGEM INFINITA