21/07/2021

APUCARANA - Secretaria da Mulher lança campanha de Combate ao Feminicídio

 Nesta quinta-feira (22 de julho), Dia Estadual de Combate ao Feminicídio, a Prefeitura lança, por meio da Secretaria da Mulher e Assuntos da Família, uma campanha virtual para enfatizar a importância de procurar ajuda e orientação, denunciar e buscar apoio em casos de violência doméstica e assim evitar que a situação se agrave e termine no assassinato da mulher. O dia 22 de julho foi escolhido pelo governo do Estado para lembrar a morte da advogada Tatiane Spitzer, de Guarapuava, assassinada pelo marido em 2018. O crime gerou comoção nacional e levou Luis Felipe Manvailer à condenação de 31 anos de prisão, em um julgamento considerado marco na luta contra o feminicídio. Segundo o Tribunal de Justiça do Paraná, 18 mil casos de violência doméstica foram registrados neste ano, entre janeiro e maio – estima-se que o número tenha subido 20% durante a pandemia. A secretária da Mulher Denise Canesin afirma que, em decorrência do covid-19, pelo segundo ano seguido a campanha será virtual. A Secretaria Municipal lança uma série de vídeos entre os dias 22 e 31 de julho, com os atores da macrorrede de proteção à mulher em Apucarana: além da secretaria, estão representados o Ministério Público, a Polícia Civil (Delegacia Especializada da Mulher), a Polícia Militar, a Guarda Civil Metropolitana (Patrulha Maria da Penha), a Defensoria Pública, a sociedade civil organizada, o Poder Judiciário, a Comissão da Mulher Advogada da OAB e o prefeito. “Todos os segmentos envolvidos com a causa de defesa dos direitos, apoio, proteção e orientação das mulheres em situação de violência doméstica estão representados nesses vídeos em nossas mídias sociais. Conclamo a população de Apucarana que divulgue, compartilhe, comente. A campanha é muito importante para a sensibilização e o alerta do maior número possível de pessoas, contribuindo efetivamente para a diminuição dos casos e da escalada de violência”, afirma a secretária. Tolerância zero - Apucarana dispõe de todos os equipamentos públicos de proteção à mulher e o lema do município é que nenhuma está sozinha. O prefeito Junior da Femac apoia as iniciativas e atende às demandas dos órgãos competentes pela coibição da violência doméstica. “Não cansamos de repetir: em nossa cidade, as mulheres têm todos os recursos públicos para atender, orientar, acolher e proteger nossas cidadãs. Somos uma das 15 cidades, entre as 399 do Estado, a dispor de órgão público executivo para elas e a rede de serviços permite que as denúncias de violência sejam plenamente atendidas”, explica o prefeito. Os números de feminicídios revelam que foram assassinadas 50 mil mulheres em uma década no Brasil, quinto colocado mundial no índice de violência fatal contra elas. O 15º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, lançado há uma semana, mostra redução de notificação de todos os crimes contra mulheres em 2020. “A subnotificação desde o início da pandemia é a causa dessa diminuição. Elas passam mais tempo com os agressores, em casa, e por isso os atendimentos presenciais foram reduzidos, embora a violência doméstica tenha aumentado”, declara a secretária Denise Canesin.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA ANTES DE COMENTAR!
- Os comentários são moderados.
- Só comente se for relacionado ao conteúdo do artigo acima.
- Comentários anônimos serão excluidos.
- Não coloque links de outros artigos ou sites.
- Os comentários não são de responsabilidade do autor da página.

Para sugestões, use o formulário de contato.
Obrigado pela compreensão.

ROLAGEM INFINITA