terça-feira, 11 de dezembro de 2018

BORRAZÓPOLIS - Responsáveis pelo abatedouro ficam desanimados após exigências

Novas exigências chegaram da Comarca de Faxinal  para autorizar o funcionamento do Abatedouro de Borrazópolis 
              Nesta terça-feira, dia 11 de dezembro, de 2018, os funcionários do abatedouro particular, existente em Borrazópolis, na saída para Kaloré, mas que presta serviços somente para o município, foi novamente notificado pela justiça. O que já havia ocorrido há alguns anos, impondo uma série de exigências para que o seu funcionamento continue legalizado. Para voltar a funcionar, vária medidas já havia sido  adotadas, como aquisição de uma máquina de choque para abate de porcos, o que  evita o sofrimento do animal; colocação de piso nos compartimentos onde os animais são abatidos, pintura, calçada, reforma geral e outras melhorias. Os administradores também contratam mais uma veterinária com responsável técnica e promoveram outras adequações, mas mesmo assim foram surpreendidos pelo oficial de justiça que fez  a nova  notificação com várias outras exigências, entre elas, a instalação de  uma caldeira, avaliada em mais de 20 mil reais, para abate de porcos.    "Você está  vendo com seus próprios olhos que tudo está muito limpinho; não temos problemas com o abate dos animais; temos duas veterinárias que fazem toda a inspeção para que o consumidor tenha segurança, mas as novas adequações, no nosso entender, são inviáveis e seria como se nós tivéssemos que nos adequar como um grande frigorífico, como, por exemplo, querem que tenhamos aqui uma câmera fria, mas não armazenamos animais abatidos aqui, então é algo que só vai trazer custos", disse o funcionário, mas também disposto a cumprir o que reza a justiça. Ainda, segundo ele, o local gera postos de trabalho é e bom para os produtores e para o comércio local, mas seu fechamento é um prejuízo para cidade. Um agricultor, que conversou com a nossa reportagem, acredita que o fechamento do matadouro, vai aumentar o abate clandestino,  porque para o pequeno produtor, não compensa levar para um frigorífico em um grande centro, para depois comercializar.  Quando fizemos a visita, encontramos no local, o Valdeir Cesar de Morais, o conhecido "Pinga". Ele disse que o responsável pelo CNPJ do Matadouro, senhor José Lima e até mesmo a prefeitura, estão verificando detalhes jurídicos para evitar o fechamento.  Nossa reportagem não teve acesso ão documento, mas segundo os entrevistados,  a determinação é que mais equipamentos e adequações sejam feitas e, enquanto isso não ocorrer,  o matadouro pode funcionar, mas está sujeito a multas que varia de 5 a 10 mil.  O Blog do Berimbau e a Rádio Nova Era, busca mais detalhes.
  








Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA ANTES DE COMENTAR!
- Os comentários são moderados.
- Só comente se for relacionado ao conteúdo do artigo acima.
- Comentários anônimos serão excluidos.
- Não coloque links de outros artigos ou sites.
- Os comentários não são de responsabilidade do autor da página.

Para sugestões, use o formulário de contato.
Obrigado pela compreensão.

ROLAGEM INFINITA