quarta-feira, 14 de março de 2018

JARDIM ALEGRE - "Famílias não indenizadas da tragédia que matou dois"

                       BERIMBALADAS                         
Seis anos após o soterramento de dois servidores públicos que trabalhavam em uma obra de aterro sanitário da prefeitura, ninguém foi preso e familiares ainda não foram indenizados  
   No dia 01 de março, de 2011, o Blog do Berimbau e Rádio Nova Era, noticiaram, em primeira mão, uma notícia trágica de Jardim Alegre, ou seja, a morte de José Carlos de Almeida, 52 anos, o conhecido “Formigão” e Cleverson Tadeu da Cruz, 24 anos, servidores públicos municipais. O motivo foi um acidente de trabalho em uma obra do Aterro Sanitário que estava sendo construída, há cerca de três quilômetros da cidade, na saída para a localidade da Barra Preta. Segundo um senhor, que trabalhava no local, era por volta das 14 horas, quando três operários cavavam dentro de uma Vala, de aproximadamente três metros largura e cinco de profundidade, e um dos barrancos cedeu soterrando completamente dois deles: José Carlos e Cléverson Tadeu. Uma terceira pessoa chegou a ficar ferida, Sílvio Fernando Santana, 34 anos, mais sobreviveu. REVOLTADOS - Neste dia 14 de março, de 2017, mais de seis anos depois, recebemos uma carta, enviada por uma amiga dos familiares das duas pessoas que entraram em óbito. No documento, ela pede justiça e principalmente o pagamento de indenizações aos parentes, o que não aconteceu até o presente momento, colocando em dificuldades financeiras estas pessoas. Veja a carta, na íntegra: "Faz seis anos que aconteceu o trágico acidente em Jardim Alegre com dois funcionários da prefeitura; um terceiro conseguiu se salvar, mas os outros dois, Cléverson e Formigão,  morreram soterrados sem ao menos terem a mínima chance  e fazendo serviço para prefeitura. E os responsáveis por esse acidente continuam em liberdade como se nada tivesse acontecido.  E as famílias das vítimas não foram indenizadas até o momento.  Então eu, Sandra, moradora de Jardim Alegre, venho em nome das famílias perguntar: até quando esse caso vai ficar parado na justiça?  Até quando a prefeitura vai enrolar e não pagar aquilo que é de direito a seus familiares?  Até quando os responsáveis vão ficar em liberdade  por aí, como se nada tivesse ocorrido? É um sentimento de muita dor, pois estes homens deixaram famílias e deixaram filhos. Justiça seja feita e que não perdure mais longos anos, como já aconteceu", diz a carta. Nossa reportagem publicou a matéria como forma de relembrar o caso e cobrar que realmente a justiça seja feita. Clique AQUI para rever detalhes do que publicamos no dia em que o acidente aconteceu. ATENÇÃO - Logo após a publicação da matéria, uma pessoa de nome Gustavo Senra, enviou um documento, que revela que foi realizado um termo de ajuste de conduta, atestando que a justiça está sim, sendo feita. Para ter acesso a íntegra deste documento, clique aqui

Um comentário:

  1. Termo de Ajustamento de Conduta firmado no Ministério Público do Trabalho: http://www.prt9.mpt.mp.br/servicos/termos-de-ajuste-de-conduta?task=baixa&format=raw&arq=yV0bVgzu-nrkgDRXUZ9ekp1ssGbHI9bdrlLhDWWNHdVk7MmsH-1CtvE28Azj_ovmju83H0rXndHPgB8MJO380g

    ResponderExcluir