sexta-feira, 13 de julho de 2018

GRANDES RIOS - Calça recheada de droga é entregue na Delegacia

                         MAIS DETALHES                    
Na peça de roupa levada para um dos presos, que se encontra recolhido na cadeia pública, havia uma espécie de cintura falsa que escondia maconha. Familiares disseram que um dos acusados é inocente

 O investigador de polícia Cláudio Lima Valenzi e o Delegado Dr. Ricardo Augusto de Oliveira Mendes, de Grandes Rios, fizeram um flagrante de tráfico de drogas na própria Delegacia. O fato foi constatado depois que um homem  procurou a unidade, levando duas calças para Renan Rodrigo Moreira de Oliveira, que está recolhido na cadeia. Inicialmente a Polícia Civil informou que o pai havia entregue as peças de roupa, mas familiares esclareceram que na verdade foi um tio.  "O senhor J. F. veio até esta DP, trazendo uma sacola contendo duas calças para o sobrinho; uma  Jeans azul e a outra preta de moletom. Após nos entregar, foi embora. Antes de repassar os objetos para Renan, fizemos uma verificação e constatamos que havia uma espécie de cintura falsa com dois tecidos e entre eles, cinco gramas de maconha. Imediatamente fomos até a casa de José Francisco, o qual negou o crime e afirmou que apenas recebeu as calças do jovem Guenter Viana Korolevisk, para que levasse até o detento. Localizamos o segundo acusado e ele foi conduzido até a delegacia", informou o boletim da Polícia Civil, ao qual a reportagem do Blog do Berimbau teve acesso.  Familiares afirmaram  que o tio de Renan não é traficante, e sim um cidadão idôneo, trabalhador e que apenas fez um favor e acabou sofrendo este constrangimento, mas que vai provar sua inocência e que quem o conhece, sabe  que jamais faria algo desta natureza. Guenter também negou a prática do tráfico e soubesse que havia droga na peça  de roupa. Todas as providências foram tomadas, e o  fato constatado, revela que a Polícia Civil de Grandes Rios, continua atenta a este tipo de crime para evitar que o tráfico de drogas seja praticado nas Ruas e muito menos dentro do próprio setor de carceragem.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA ANTES DE COMENTAR!
- Os comentários são moderados.
- Só comente se for relacionado ao conteúdo do artigo acima.
- Comentários anônimos serão excluidos.
- Não coloque links de outros artigos ou sites.
- Os comentários não são de responsabilidade do autor da página.

Para sugestões, use o formulário de contato.
Obrigado pela compreensão.