quarta-feira, 12 de setembro de 2018

CORRUÇÃO - CASO BETO RICHA

Vídeo mostra empresário com pacote de dinheiro para esquema de propina no governo Beto Richa, diz MP-PR
          CLIQUE PARA VER O VÍDEO              
(JORNAL HOJE)   Um vídeo entregue pelo empresário Tony Garcia, delator na Operação Rádio Patrulha, mostra o empresário Celso Frare com um envelope de dinheiro que seria usado para pagamento de propina em um esquema de fraude em licitações do Governo do Paraná durante a administração do ex-governador Beto Richa, segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR).  Richa foi preso pela operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) na terça-feira (11). A esposa dele, Fernanda Richa, o irmão, Pepe Richa e outros investigados também foram presos. Na operação, o Gaeco investiga o programa Patrulha do Campo, que faz manutenção das estradas rurais do estado. Na inciiativa, o governo alugava máquinas para manutenção das estradas e as prefeituras cediam funcionários e combustível.   Para os promotores do MP-PR, o vídeo entregue por Tony Garcia demonstra o modus operandi adotado para os pagamentos de propinas no esquema: maços de dinheiro eram depositados em envelopes, entregues na clandestinidade. “Registre-se que o vídeo em questão se encaixa perfeitamente em todo o contexto já exposto: das alterações dos editais, das reuniões criminosas realizadas, do agradecimento pelo pagamento do ‘tico-tico’ pelo Estado, dos repasses aos operadores do esquema, enfim, de todas as informações trazidas ao conhecimento da Justiça pelo colaborador”, dizem os promotores.   Propina  -    Segundo o MP-PR, o edital do programa previa o fornecimento de equipamentos e veículos novos, num valor de pouco mais de 72 milhões de reais. A propina, de acordo com o Ministério Público, era de 8% sobre o faturamento bruto dos empresários.  Além do vídeo, Tony Garcia também entregou aos promotores conversas que teve com os supostos envolvidos. Em um dos trechos, eles discutem o percentual da propina.  (Clique aqui para ver mais detalhes no G1 e a defesa dos acusados)