25/02/2021

APUCARANA - Em audiência prefeito pede tarifa baixa e exclusão de pedágio

Prefeito de Apucarana foi o único do estado a participar do debate, criticando a concessão atual e exigindo mudanças na proposta para o futuro A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) promoveu nesta quarta-feira (24), a primeira audiência pública - por vídeo conferência -, sobre a nova concessão de rodovias pedagiadas no Paraná, que deve vigorar a partir de 2022. E, neste início do debate sobre o modelo de concessão proposto pelo Ministério de Infraestrutura e Logística, o engenheiro civil Sebastião Ferreira Martins Junior, o “Junior da Femac”, foi o único prefeito do Paraná a participar da discussão. Na sua participação, com cinco minutos de duração, Junior da Femac teceu duras críticas à concessão denominada de anel de integração rodoviária do Paraná nos últimos 24 anos. “Foram mais de duas décadas de promessas não cumpridas e de obras não realizadas. Apucarana perdeu o seu contorno leste que estava contratado na concessão e ninguém deu satisfação sobre isso. Aliás, essa concessão prejudicou demais o Paraná, com as tarifas mais caras do Brasil”, afirmou o prefeito de Apucarana. Segundo Junior da Femac, a proposta da nova concessão deve ser discutida com transparência e profundidade. “As cidades do Norte do Paraná foram planejadas e construídas interligadas, separadas uma das outras por 10 ou 15 quilômetros. Trata-se de um eixo urbano, e não dá para admitir em hipótese alguma a implantação de mais praça de pedágio neste trecho, conforme está previsto para a BR-376, entre Califórnia e Apucarana”, argumentou o prefeito, acrescentando ainda que “a região não irá aceitar mais uma porteira no desenvolvimento do Vale do Ivaí”. Junior lembrou que os usuários da Rodovia do Café já pagaram muito em quase 25 anos, e ainda esperam a duplicação de 56 quilômetros que faltaram na ligação entre Apucarana e Ponta Grossa. “Já existem cinco praças de pedágio na BR-376 até Curitiba e não se pode penalizar mais os paranaenses. Queremos, efetivamente, tarifas menores, por favor atendam isso”, concluiu o prefeito de Apucarana. Durante a audiência pública, realizada das 9 às 18 horas e aberta para todo o Paraná, somente uma média de trezentas pessoas acompanharam o debate por vídeo conferência.  Leia mais no link abaixo Já para fazer sugestões, críticas ou avaliações, a ANTT recebeu apenas 116 inscrições. O debate, no canal do You Tube da ANNTT, prossegue nesta quinta-feira (25), no mesmo horário. Nos estudos realizados pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL) está prevista a concessão de 3.327 quilômetros de rodovias estaduais e federais no estado do Paraná, com investimentos privados de mais de R$ 40 bilhões em obras de duplicações e contornos. E, a partir de agora, todos os detalhes do projeto serão debatidos com a sociedade nesta etapa de audiências públicas. Os estudos propõem a duplicação de 1.783 quilômetros de rodovias, além da implementação de 253 quilômetros de faixas adicionais, 104 quilômetros de terceira faixa e a construção de dez contornos urbanos, que facilitam a integração da malha viária. Os contornos estão localizados nas cidades de Apucarana, Arapongas, Califórnia, Itaúna do Sul, Londrina, Maringá, Marmeleiro e Ponta Grossa. A maioria das obras deverá ser entregue até o sétimo ano dos contratos (2029), que terão duração de 30 anos. O projeto estima uma redução de valores que varia de 25% a 67%, para veículos de passeio, e entre 15% e 63%, para veículos comerciais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA ANTES DE COMENTAR!
- Os comentários são moderados.
- Só comente se for relacionado ao conteúdo do artigo acima.
- Comentários anônimos serão excluidos.
- Não coloque links de outros artigos ou sites.
- Os comentários não são de responsabilidade do autor da página.

Para sugestões, use o formulário de contato.
Obrigado pela compreensão.

ROLAGEM INFINITA